sábado, julho 02, 2016

RIO – UM MODELO DE GESTÃO SEM PLANEJAMENTO E FALÊNCIA MÚLTIPLA DO ESTADO.

Vamos abrir um debate sobre a insegurança no estado do Rio de Janeiro.
No dia 13/05 a Polícia Militar fez aniversário, completou 207 anos, pois foi fundada no ano de 1809, pelo Rei Dom João VI. 
Os moradores do Estado do Rio do Janeiro e os servidores públicos não conseguem ver qualquer luz no final do túnel o que caracteriza a falência de um Estado que foi tão promissor. 
O PMDB, desde janeiro de 2003, vem governando este Estado, com a gestão dos governadores Rosinha Garotinho, Sérgio Cabral, Luiz F. Pezão e agora, com o governo interino Dornelles.
Além da grave crise financeira que hoje o Estado do Rio atravessa, o governo do Rio de Janeiro enfrenta também uma crise política. Os deputados estaduais do PMDB, partido do governo, estão pedindo a saída do Secretário de Segurança, Beltrame. Não acredito que esses deputados terão coragem
de dar continuidade a este corte de cabeça, não é assim que se defende a população!
Não tenho á intenção de defender o Secretário Beltrame, mas quantas vezes ele solicitou mudança nas leis, cobrando uma atitude dos políticos e nada foi feito? Deu várias entrevistas afirmando que a polícia está enxugando gelo, como na verdade está! E algum desses “representantes do povo” nada fizeram para interagir com as demais casas legislativas no sentido de endurecer as leis, no combate ao crime organizado.
Estado quebrado, governador sem condições sequer de dar uma entrevista, prefeito que só vê olimpíadas, e a culpa é do Beltrame? É hora de reunir esforços e não de cortar cabeças.
A bancada do PMDB se reúne na Assembleia Legislativa, constando na pauta uma análise dos últimos números da área de Segurança Pública do Estado... Isto já sabemos!!!
Vou apresentar alguns números, mas como ordem de grandeza, pois não tenho a precisão dos dados. A PMERJ conta hoje com um efetivo de aproximadamente 50 mil homens para atender o Estado do Rio de Janeiro, que possui 92 municípios e uma população de +- 16 milhões de habitantes, desses, 9 mil estão nas UPP’s, fora do patrulhamento nas ruas; +- 2.600 estão cedidos para outros órgãos públicos; +- 2.300 estão em licença médica; +- 10% estão de férias; +- 15% atuando em serviços administrativos (burocráticos). Sobram +- 24 mil PMs para fazer a segurança do Estado.
Estes trabalham em "3 turnos", só contando, então, com 8.000 PMs para policiar o Estado em cada turno. Segundo informações recebidas (matéria de O Globo), o ideal seriam 03 PMs para cada 1000 habitantes. Com a população de +- 16 milhões no Estado do Rio de Janeiro só temos +- 0,5 PMs para cada mil habitantes.
Somando-se a esta carência numérica, hoje os policiais se encontram com atraso no pagamento da RAS (Regime Adicional de Serviços) que pode acarretar na diminuição do número de PMs (+- 500 PMs) nas ruas. Este ano já morreram quase 50 policiais de serviço ou em folga, mortos covardemente por
criminosos. 
È necessário que o PMDB discuta muito mais que os números estatísticos, há necessidade de se levantar as causas que levaram nosso Estado a esta situação de dificuldades. Onde está o dinheiro que foi arrecadado ao longo dos anos? A população não conta hoje com um sistema de saúde decente, com um sistema educacional que cumpra seu papel (o professor do Ensino Fundamental ganha R$1.300,00 mensais) e com a segurança que cumpra suas finalidades. E isto não é culpa do Secretário Beltrame!!!
Várias vezes o Secretário colocou que havia a necessidade de ações integradas, da área social e urbana da Prefeitura e Estado, nas comunidades onde foram implantadas as UPPs, para que o modelo desse certo. Não se pode só prender, há necessidade de colocar os jovens e crianças em espaços de aprendizagem e de profissionalização, mas... não assistimos estas medidas serem implantadas! É culpa do BELTRAME?
Precisamos parar com a política de cortar cabeças e devemos iniciar a implantação da política da transparência, da eficiência e da intersetoriedade na resolução dos conflitos.
Um dia desses assistindo o RJ TV, ouvi a fala de um policial no velório de um amigo da policia. 
“MESMO COM AS DIFICULDADES QUE ESTAMOS PASSANDO, VAMOS SEGUIR EM FRENTE E FAZER O QUE SABEMOS FAZER, PROTEGER A POPULAÇÃO, E SE FOR O CASO, COM A NOSSA PRÓPRIA VIDA”. TRISTE!!!

Postar um comentário