sábado, julho 14, 2012

RIO: EDUCAÇÃO - APROVAÇÃO AUTOMATICA

              Começa tudo de novo!  A  historia da aprovação automática no sistema educacional municipal do Rio passa a ser tema na campanha à reeleição do atual Prefeito do Rio.
  No dia 23/06/12,  na Convenção do PMDB, o Prefeito atual do Rio faz duras criticas à gestão do Prefeito César Maia, no que se refere à gestão da Educação, no período em que exerceu seu mandato.  Entendo  que as críticas se estendem a todos os  professores  regentes e  diretores das nossas escolas, pois foram estes os verdadeiros trabalhadores que implantaram o sistema de ciclos.
É fácil criticar uma proposta pedagogia e uma metodologia de ensino  quando a platéia que ouve as críticas não tem conhecimento do assunto abordado.
Aprovação automática quer dizer que o aluno é promovido para a série seguinte  sem que haja uma efetiva avaliação do  desenvolvimento de sua aprendizagem. Não há qualquer tipo de  orientação ou cobrança, sem qualquer tipo de  apoio. Assim, sem nenhum critério, o aluno é empurrado adiante, correndo ele os riscos de não estar preparado  para superar os desafios de uma sociedade competitiva.
O sistema de progressão continuada (ciclos), desenvolvido pelo Prefeito César Maia em sua gestão,  nada tem a ver com aprovação automática. Trata-se de um critério de promoção onde a criança é avaliada permanentemente pelo professor, com a apresentação de trabalhos complementares que possibilitem ao alunado superar suas dificuldades, sem a necessidade da reprovação instantânea nas séries iniciais do Ensino Fundamental.
Já está mais do que provado que as crianças têm tempos diferentes para aprenderem a ler e a escrever, com o sistema de ciclos este tempo é respeitado e a criança pode avançar sem o trauma de uma parada no processo. Lógico que deverá ser oferecido ao aluno um trabalho pedagógico complementar, que  faça com que a criança supere as suas dificuldades. È um trabalho pedagógico que requer muito do corpo pedagógico das escolas, demandando mais   recursos materiais e recursos humanos melhor qualificados. Não é fácil trabalhar nesta linha pedagógica, assim, é melhor criticar do que  tentar acertar.
De acordo com a Lei nº 9394/LDB:
Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe a formação comum indispensável para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores.
Art. 23. A educação básica poderá organizar-se em séries anuais, períodos semestrais, ciclos, alternância regular de períodos de estudos, grupos não-seriados, com base na idade, na competência e em outros critérios, ou por forma diversa de organização, sempre que o interesse do processo de aprendizagem assim o recomendar.
A própria Lei de Diretrizes da Educação Nacional prevê este tipo de seriação (ciclos), com o suporte de uma pedagogia progressista, fazendo com que a criança aprenda brincando e com consciência. 
           Em São Paulo, na Finlândia, Coreia do Sul e em outros países, sistemas deste tipo são acompanhados de mecanismos que permitem a correção dos rumos do ensino antes do fim do ano e que envolva os professores em planos de orientação aos alunos com dificuldades. 
           Quando a Educação deixar de ser tema de campanha eleitoral e passar a ser realmente prioridade neste país, teremos um país realmente desenvolvido.
Postar um comentário