domingo, janeiro 03, 2010

ZONA OESTE DO RIO 2010: CRESCIMENTO ECONÔMICO


Há cerca de 50 anos atraz tínhamos aproximadamente 75% da população brasileira no campo, hoje, aproximadamente 80% vivem nas áreas urbanas, éramos naquela época aproximadamente 51 milhões de habitantes, hoje somos mais de 190 milhões. Já tínhamos uma pesada herança de nossa historia, uma divida social enorme. As graves questões econômicas e sociais acresceram os problemas ambientais e urbanísticos decorrentes, inclusive, por falta de políticas estratégicas de interiorização do desenvolvimento e apoio à agricultura familiar e a agropecuária.


A realidade nacional e, que não pavimentamos o caminho para o futuro para acolher os milhões de compatriotas que chegaram. Os grandes centros urbanos incharam, áreas de risco e de preservação foram ocupadas desordenadamente e os espaços públicos submergiram na onda de especulação imobiliária, dos interesses das empresas construtoras, ressalvadas, é claro a dignas exceções.


A Cidade do Rio de Janeiro continua sendo a vitrine do Brasil, nas importantes manifestações culturais, lutas sociais, política, impasses históricos e poder na cidade maravilhosa. Mas á opção do crescimento do Rio esta na Zona Oeste, a correnteza do Rio corre para a nossa região. Com a implantação da nova fábrica da MICHELIN, em Campo Grande, investimentos aproximados de CR$ 460 milhões; CSA - Companhia Siderúrgica do Atlântico (Joint Venture da Companhia Vale do Rio Doce com a THYSSENKRUPP METALURGICA da Alemanha), investimentos na ordem de CR$ 10 bilhões, na construção de um dos maiores parques siderúrgicos do Estado do Rio e do Brasil, que vai ser fundamental para a fomentação do setor industrial brasileiro (siderurgia, coqueria, porto e termoelétrica), ampliação do West Shopping e a implantação da 6ª Loja da MAKRO ATACADISTA.


Com a perspectiva do desenvolvimento econômico na região da Zona Oeste, e da Costa Verde, com á ampliação da utilização do Porto de Itaguaí, e os grandes investimentos imobiliários que chegaram a partir de 2007.
Precisamos ter todos os cuidados na melhoria de infra-estrutura viária e na fase inicial de implantação das novas fábricas, das novas unidades habitacionais. Com essa estratégia vamos tentar evitar a criação de favelas operarias, no entorno das zonas industriais, e fazer com que esse crescimento da região seja ordenado, prospero e que venha a melhorar ainda, mas a qualidade de vida dos moradores da Zona Oeste do Rio.



ADENIL MOREIRA DA COSTA
Postar um comentário