quinta-feira, maio 30, 2013

MUNDO: A EQUAÇÃO ENERGÉTICA INGRESSA NO REINO DA ABUNDÂNCIA!

Aqui no Brasil, a exploração do gás de xisto é uma alternativa viável para o país garantir e ampliar a competitividade nacional, ante outros mercados, mas deve levar em consideração os possíveis riscos ambientais. "O procedimento de exploração envolve a explosão de rochas sedimentares e injeção de grande quantidade de água (cerca de 90%), areia (9%) e reagentes químicos (1%). 
(Jorge Castro – Clarín, 26) 1. A produção de energia cresce mais depressa do que a demanda a partir dessa década, e um terço desse crescimento corresponde aos EUA.  A produção norte-americana de petróleo bruto subiu em 800 mil barris por dia em 2012, e a oferta petroleira aumentou 50% desde 2008. É o maior aumento em um ano de sua história desde que se têm registros (1854).              
2. Mais de quatro quintos desta alta é por conta do gás de xisto.   Metade do aumento global de petróleo virá dos EUA e Canadá durante os próximos 10 anos, mais do que a Arábia Saudita. O mesmo se aplica para o gás.  A demanda global de gás alcançará 5,1 bilhões de metros cúbicos (bcm) em 2035 (hoje é de 1,8 bcm), a participação do gás na energia passará de 21% para 25% e subiria para 40% em meados do século.
3. O boom do gás de xisto nos EUA modificou a equação energética global, que sai do mundo da escassez, no qual tem estado submergido historicamente, e ingressa no reino da abundância. Nessa transição, o Oriente Médio perde a sua natureza de região estratégica central e sua importância geopolítica é reduzida qualitativamente.
4. A América do Norte adianta a tendência global. Os preços da gasolina nos EUA são atualmente um terço dos europeus e 25% dos asiáticos, e o preço do barril do petróleo no Canadá caiu em 2012 para 50 dólares o barril, metade do Brent (petróleo cru) (cotado a 104/110 dólares no mesmo período).





Postar um comentário